9 Aprendizados para fazer A transição e criar um trabalho com significado

Vamos ver se você se identifica: Você sempre trabalhou num mesmo formato, com chefe, regime CLT, horários fixos a cumprir, em ambientes com uma estrutura “engessada” (por mais que mudasse a empresa) e com pessoas “certinhas” (provavelmente corporativo). Só que um belo dia algo começou a te incomodar e aos poucos, seu trabalho começou a não fazer mais tanto sentido. As pessoas a sua volta já não tem os mesmos interesses que os seus e valorizam coisas bem diferentes do que você. Aí você começou a sentir como um peixe fora d’agua e está angustiado. Afinal de contas, o que fazer? Já que ralou tanto e estudou mais ainda para chegar onde chegou.

 

 

Não é da noite para o dia que vem as respostas do que se quer fazer e do lugar ideal para se trabalhar.  

 

Bem vindo! Esse é o período de transição, a fase da falta de sentido.

 

Nessa fase, é bom (soltar os quadris) e aprender a dançar com as polaridades, ou seja, os dilemas internos, a instabilidade e a incerteza. Se colocar em um estado de “suspensão” enquanto você observa o que poderia fazer te dá a chance de viver um momento rico em oportunidades. É intenso, abundante e impermanente ao mesmo tempo. O importante nessa travessia é fazer uma investigação interna e buscar autoconhecimento. Sentido vem de dentro. O que faz sentido para uns pode não fazer para outros. E você tem que buscar o seu. Esteja aberto para explorar possibilidades no mundo para descobrir o faz sentido para você. Depois de uma certa vivência é possível convergir as possibilidades e tomar uma decisão da onde faz sentido ficar e no que se quer dedicar. Até que isso aconteça, se permita estar experimentar tudo que você quiser.

 

Como sabemos, a fase de transição pode ser dolorosa se não for encarada de frente e solitária se não tiver ao lado de quem também está nessa busca, por isso criei o Programa Travessia. Um programa com 11 encontros para criar um trabalho com significado e planejar a transição da forma mais suave possível.

 

No dia 14 de dezembro, foi o último dia da primeira turma do Travessia, pessoas especiais que eu guardo no coração pelo carinho que tiveram de embarcar em algo novo e desconhecido.

Para terminar revisitando o processo desde outubro, fizemos uma dinâmica, chamada aquário para levantar os aprendizados essenciais de uma transição e chegamos nessa síntese:

 

1 - É um processo de quebra de crenças e padrões.

O que fazia sentido antes não faz mais. O que faz sentido agora, você já achou loucura antes. Tudo muda. Há uma mudança de perspectiva e por consequência a criação de novos paradigmas. Mas só mudamos, de verdade, quando entendemos (lá no fundo) que cada um de nós é totalmente responsável por tudo que nos acontece sem exceção. Não cabe mais reclamar da vida e terceirizar a responsabilidade. É preciso tomar a vida nas próprias mãos e fazer algo para mudar. E para isso precisa de autoconhecimento.

 

2 - Tudo está conectado. Quando queremos viver a vida com mais propósito, não tem como separar o profissional do pessoal.

Precisamos fazer o que realmente acreditamos para nos sentirmos realizados e satisfeitos. Fugir é perda de tempo. Por isso que vale a pena só trabalhar em ambientes com valores alinhados com os seus.

 

3 - Nosso tempo de vida é o recurso mais escasso que existe, por isso é necessário criar o senso de urgência para mudar.

Temos uma única vida (ao menos nesse corpinho físico) para nos tornarmos melhores do que quando chegamos nascemos. Um bom começo é se desvencilhar do drama alheio para pensar em si mesmo. Foca em transformar a sua vida que já é um bom começo.

 

4 - É bom termos “espelhos” ou pessoas que estão passando pela mesma situação, para nos apoiar e nos ajudar nessa travessia.

Nos abrir e nos vulnerabilizar para compartilhar questões profundas é essencial para receber ajuda (e muita). É em grupo que temos a oportunidade de vivenciar a vida do outro e nos inspiramos a olhar ainda mais para a nossa própria história. Ouvir o problema dos outros, nos conecta e dá vontade de acompanhar a construção e evolução de quem está próximo.

 

5 - Para o trabalho ter significado, ele precisa resolver um problema seu, genuínamente seu.

Quando estamos resolvendo algo necessário através do trabalho, ele se torna incrível, impactante e vai trazer satisfação. Crie soluções, para o seu próprio problema, colocando a serviço seus talentos para quem tem a mesma dor que a sua. (lembre-se: esse é o pulo do gato). Quando a necessidade é verdadeira, ela também é a necessidade de outros. Trabalho social é lidar com a dor de alguém, então qualquer trabalho que lida com uma dor real é social. (só lembra que ela tem que ser real e não criada hein?)

 

6 - O que te toca é o que vira trabalho e consequentemente sucesso.

Dor e amor é o que nos mobiliza. Olhar a nossa dor é muito difícil, mas sem entrar em contato com ela, fica mais difícil de transformar o que não faz sentido. Descubra o que mais dói em você, seu problema raiz, sua necessidade real, aquilo que for mais genuíno. Depois entre em contato com suas paixões e seus talentos (veja aqui como descobrir os seus) e principalmente seus valores para agir através deles. Resolver o seu problema usando seus talentos, paixões e valores, te mobiliza por que cria o senso de urgência. E quando sabemos que precisamos agir, precisamos começar de algum lugar. É errando que acertamos. Antes feito do que perfeito.

 

7 - Saiba onde você quer chegar mas não precisa saber como você vai chegar lá.

Se permita sonhar e criar uma imagem do futuro desejável. É crucial para olha lá na frente e dar um passo de cada vez. Não planeja todos os passos, só o próximo. Lembrando que ele precisa conter a essência do que você quer viver lá na frente. Se não para e pensa “Estou fazendo isso por medo ou por amor?”.

 

8 - Esteja perto de pessoas e ambientes alinhados com o que você quer viver.

Interagir com quem está vivendo da forma que você deseja, te conecta a grupos e comunidades ligadas àquele “novo mundo”. Olhe a sua volta e pensa quem poderia te introduzir um lugar diferente para conhecer. Entre no Transitions, plataforma para conectar pessoas que se interessam pelo tema da Transição. Lá sempre tem dicas.

 

9 - A transição é um processo cíclico.

Passamos por várias fases na vida, e todas essas fases estão contidas nesse ciclo de transição. Não somos os mesmos que acordaram hoje de manhã. Estamos em constante movimento e por isso que estamos numa constante transformação. Vamos passar várias vezes por todas as fases o que significa que vamos também passar pela fase “falta de sentido”, só que numa oitava acima. Buscando outras coisas em outros momentos. Quem quiser, baixe o ciclo de transição para se situar nessa travessia.

 

 

Enfim, a vida é complicada, os passos podem ser difíceis mas vale a pena. Como Guimarães Rosa colocou sabiamente:

“O correr da vida embrulha tudo.

A vida é assim: esquenta e esfria,

aperta e daí afrouxa,

sossega e depois desinquieta.

O que ela quer da gente é coragem.”