QUE REGRAS SEGUIMOS?

Já se pegou falando “Não pode fazer isso por que disseram que não pode.” Nem sabemos por que, mas seguimos aquelas regras que uma vez nos falaram. 

Tenho entendido que precisamos questionar e refletir sobre as regras seguidas para não sermos refém delas.

As regras deverão estar a nosso serviço, para nossa melhoria, e se elas não estão nos servindo, deverão ser hackeadas, quebradas e reinventadas.

Viver a vida apoiada em regras que não fazem sentido podem nos aprisionar. Além disso podem burocratizar processos atrasando a criatividade e o nosso próprio caminho.

Regras são dadas pelos outros quando há desconfiança.

Regras impostas são obedecidas quando não há regras próprias, ou seja, princípios próprios.

Minha mãe me falou hoje - "O certo é o que for certo para você".

Crie as suas próprias regras baseadas no que for certo para você. E esteja disposta a transformá-las se necessário.

Quando há confiança nos próprios princípios não há a necessidade de seguir regras dos outros.

Quando há confiança em si mesmo não nos tornarmos refém das regras dos outros e da sociedade. 

Quando há confiança na sua visão de futuro, há foco e cuidado no que faz do presente.

Quando há confiança nos seus ideias, ou seja, na sua direção, há motivação, dedicação e segurança.

Fluiremos com confiança seguindo nossas próprias regras.

Sabe quais são as suas regras?