Por que abandonar o barco pode não ser uma boa: Uma visão critica sobre transição de carreira

DSC_2092.jpg

Você se apavora nas segundas-feiras por saber que ainda tem uma semana inteira pela frente? Então respire fundo e comece a fazer um planejamento para mudar isso. Não vale a pena abandonar o barco de forma tão repentina.

Se o seu barco estiver atracado em terra firme e você decidir abandoná-lo, terá que ir a nado e pode te dar muito mais trabalho. Terá que alocar recursos, como seu fôlego, sua energia e o seu tempo nessa travessia de forma desnecessária. Se o seu destino desejado é bem diferente do atual, acalme-se. Você não chegará lá nadando. 

Se você quiser fazer algo completamente diferente do que faz hoje, você poderá fazer aos poucos sem abandonar o barco repentinamente. Se permita viver um processo de autoconhecimento para ter mais segurança da mudança que deseja fazer para realizar a transição com mais tranquilidade. 

Saiba o destino desejado antes abandonar o barco

Ouço muito a frase “Não aguento mais, quero mudar”. Mas saber para onde quer ir já é mais raro de ouvir. Entenda qual é o futuro que você quer viver. Em outro post explico melhor como você pode definir “seu mundo melhor”. Afinal de contas, se você não sabe onde quer chegar, qual quer rota servirá. 

Dica: reflita o que já te fez sentir viva e pense como você poderia trabalhar com isso.

Não negue as suas origens

Considere-as suas referências por que elas podem enriquecer o seu processo de transição. As pessoas já te reconhecem por determinada atividade. Portanto usufrua dela e aplique ela na área que desejar atuar.  Rejeitar o que você já sabe fazer e que as pessoas reconhecem é perda de tempo. Partir para outro lado não necessariamente te levará a lugares melhores em menos tempo. 

Descubra novas terras

Aplique suas habilidades nas áreas que você tem interesse em atuar. Ofereça o que você sabe fazer. Faça cursos nas áreas desejadas para saber se realmente quer se aprofundar nisso ou se é só um hobby. Experimente atuar na área por períodos curtos como um final de semana, uma noite ou um mês. Atue. Não tire conclusões sem antes tentar fazer algo. 

Faça um inventário dos recursos que você levará do seu barco

A soma dos recursos que você acumulou até o dia de hoje não merecem ser jogados fora. Além do conhecimento que você adquiriu passando anos se formando em determinada área, você ganhou experiência e habilidades realizando as atividades propostas. Você também possui relações que cultivou ao longo do tempo e elas poderão te ajudar nessa travessia.

Avalie quanto recurso você precisa para fazer a travessia de forma tranquila

Faça um levantamento das suas prioridades para saber o mínimo que precisa nessa jornada para navegar de forma tranquila. Mapeie suas responsabilidades para fazer os cálculos necessários. 

Crie um plano de emergência caso não consiga navegar na velocidade que deseja

Chegar onde você quer pode te levar muito mais tempo do que imagina. Então busque alternativas que você pode fazer para aguentar essa travessia que pode levar alguns anos até você chegar onde deseja.   

Aviste outros barcos que estão na proximidade

Olhe para o horizonte e fique atento para avistar outros “barcos”, ou iniciativas, que te atraem. Se aproxime. Esteja perto de pessoas que te inspiram, peça dicas. Se coloque a disposição. Ofereça o que você pode dar para experimentar o que precisa.

Reflita sobre as consequências de abandonar o barco

O que você vai fazer se você abandonar o barco amanhã? Não vale falar que tirará férias. Afinal de contas não teria um trabalho para tirar férias. Vamos dizer que você reservou uma semana ou duas para descansar, e depois disso? O que faria?

Certifique-se de que você tem disposição, fôlego e sabe nadar antes de decidir abandonar o barco e entrar em desespero. Pense nas consequências e tenha consciência de que é possível fazer uma transição sem cortes drásticos. 

Se você não quer demorar muito para fazer uma mudança, comece fazendo uma jangadinha, que mesmo frágil e rústica pode te ajudar a flutuar. Porém é preciso que essa jangada flutue em direção ao seu destino desejado, senão estará à deriva. Por isso tenha clareza do seu norte para navegar naquela direção. Talvez a Bússola Interna pode te ajudar a chegar lá.

Dia 31/08 farei um workshop explicando os principais aspectos para criar um Trabalho com Significado. Saiba mais nesse post. 

Esse post foi criado inspirado numa conversa que tive com a Mariesa Mas de Camargo - terapeuta, amiga e companheira de formação do Caminho Iniciático e Biografias da Associação Sagres.