[Fiz a Travessia] Larguei o cargo de Estilista numa grande corporação para fazer vídeos com a alma

Quando era Estilista 

Quando era Estilista 

Nome: Bruna Arcangelo Toledo

Antes fazia: Estilista

Hoje faz: VIDEOMAKER - Video com Alma 

Lella Sá - Por que você faz o que você faz hoje? 

Bruna Toledo: Sabe quando você encontra algo na vida e fica se perguntando por que não estava fazendo aquilo antes? Foi assim que o vídeo surgiu na minha vida e caiu como uma luva pois h´å tempos o que eu fazia anteriormente (trabalhava com moda como estilista e gerente de marketing de moda) me fazia sentir estranha, como se eu tivesse fazendo algo sem saber o porquê. Você simplesmente faz, e continua fazendo.... sem significado, sem preencher.

O vídeo me fascina muito além da questão estética, do enquadramento, da cor. Vídeo é ferramenta, é mergulhar num universo novo. É trazer a tona histórias desconhecidas por outras pessoas e tentar inspirá-las de alguma forma. Ou simplesmente registrar momentos únicos.

Lella Sá: Por que você decidiu sair da onde estava? 

Bruna Toledo: Trabalhar com moda não me alimentava mais como pessoa. Não alimentava minha criatividade e eu sentia que eu já não me encaixava naquele modelo corporativo, onde as pessoas não são vistas como pessoas, mas sim como números.

Foram muitos acontecimentos, na verdade, em diferentes empresas. Talvez eu tenha sido escolhida para viver situações esquisitas e até bastante bizarras no mundo da Moda, ou talvez muitas pessoas vivam situações semelhantes, mas de alguma forma deixam passar.

Eu mudei MUITO nos últimos anos, mudou a forma como eu vejo a vida, mudaram minhas ambições. Mudou o mundo também, o mercado. A minha primeira grande escola como estilista de acessórios me ensinou o trabalho artesanal, feito a mão. Me ensinou a valorizar as pessoas que fazem esse trabalho, me ensinou a misturar o caro com o barato, o couro com a borracha, me ensinou que o mundo é um mar de possibilidades no design de produto, basta usar a criatividade. Mas hoje o mercado anda completamente diferente disso: o crescimento das fast fashion, a roupa descartável e barata, a necessidade de se afirmar através do que se veste, a produção na China, Vietnã, Turquia, Camboja a preços extremamente baratos para serem vendidos aqui a 10x mais. Isso sem falar nos donos de empresa, nas péssimas condições nas quais éramos obrigadas a trabalhar: sem ventilador, sem ar condicionado, sem sabonete no banheiro. Era totalmente contraditório trabalhar para uma marca glamourosa do SPFW (São Paulo Fashion Week), que pagava 20 mil reais por mês a uma blogueira postar 4x um look no Instagram e ver os bastidores cruéis daquela forma.

Eu cheguei a escrever sobre isso para o Catraca Livre em Novembro do ano passado. Recebi mais de 300 e-mails e até hoje recebo.
 

Lella Sá:  Como fez essa mudança?

Bruna Toledo: O processo de mudança (só agora percebo) levou anos. Desde 2011, quando também saí de uma empresa que trabalhava para ir morar em Londres, eu já andava esquisita. Tinha o emprego dos sonhos, o emprego que qualquer estilista de moda especializada em acessórios gostaria de ter. Tinha uma sala bem grande só pra mim, minha chefe era ótima no sentido de me deixar livre, a vontade para criar e desenhar. Trabalhava ali ouvindo música, no ar condicionado, atendia meus fornecedores. Enfim. E de repente resolvi simplesmente sair para seguir meu sonho que era morar fora. Sem dor no coração, sem pensar "Ah, minha carreira." Em um mês eu estava embarcando para uma das melhores experiências da minha vida.

Com uma Gopro na mão, eu filmava tudo o que eu fazia em Londres, e todos os lugares e países que visitava. Daí surgiu o vídeo na minha vida. Baixei o programa de edição, coloquei uma música e virei a noite editando até as 6 da manhã. Fui fisgada. Totalmente!

Voltei um ano depois, trabalhei ainda mais 2 anos com moda, mas mantendo o vídeo na minha vida. comprei uma câmera semi profissional e de repente as pessoas começaram a me pedir orçamentos. Eu fui seguindo, me aventurando nos vídeos até que, quando vi, estava virando noites trabalhando com vídeo e trabalhando com moda durante o dia, de uma forma insustentável.

Aí houve aquele momento: "Quando eu achar que tenho dinheiro suficiente guardado para largar tudo, eu largo." Mas fui ficando doente. Doente de ter que me submeter todos os dias àquele mundo que já não pertencia mais. E essa história de esperar para ter mais dinheiro que garanta sua sobrevivência, é preciso tomar muito cuidado. Quando eu vi, eu não estava juntando quase nada, porque tudo o que eu ganhava (além de investir em equipamentos), eu gastava pra compensar as frustrações que eu vivia.

De repente, uma amiga me marcou num post no facebook de um veleiro que estava vindo da Nova Zelândia para a Patagônia, via Antártida. E estava procurando pessoas para integrar o time. Eu olhei aquilo e alguma força muito forte me fez perceber que eu não poderia deixar de viver aquilo. Passei 4 dias na maior agonia, como se eu estivesse decidindo o rumo da minha vida (e eu realmente estava!). Levantei, fui na sala do meu chefe e pedi demissão, pois estava indo para a Patagônia passar um mês num veleiro com pessoas que eu nunca havia visto na vida.

De lá pra cá minha vida deu um salto. Trabalho em casa, tenho meus clientes, faço minha rotina, vou pro parque pela manhã ou para a praia, passo meses fora de SP em projetos, filmando, editando simplesmente de qualquer lugar. Basta uma tomada para eu estabelecer minha ilha de edição. E assim faço meus vídeos com alma. :)

Lella Sá - Quais foram os maiores desafios que passou para fazer essa transição?

Bruna Toledo: O maior desafio sem dúvida é grana. É a incerteza de não saber se mês que vem você vai ter dinheiro. Mas de alguma forma o universo tem dado sempre um jeitinho, ao menos comigo, e nesse 1 ano e 2 meses a minha renda superou os valores que eu recebia trabalhando fixo, todos os dias, numa empresa.

Outro desafio, no meu caso, é não ter uma casa fixa. É difícil se comprometer até com um plano de academia de 3 meses, pois muitas vezes eu não fico esse período num só lugar. Então estou sempre desenvolvimento técnicas alternativas de fazer as coisas. rs

Lella Sá: Qual futuro você está ajudando a criar? 

A vida que leva como Videomaker

A vida que leva como Videomaker

Bruna Toledo: Acredito que estou ajudando criar, além do meu próprio, o futuro de um mundo melhor, uma vez que procuro focar meu trabalho também em trabalhos sociais e na história de pessoas que cruzo em minha caminhada, que possam servir de inspiração para outras. Assim como eu posso estar inspirando alguém nesse exato momento com minha história.

Lella Sá: Que dicas você daria para quem quer ter um Trabalho com Significado? 

Bruna Toledo: Quando eu estava na tensão da grande decisão, um amigo me mandou um texto. E foi esse texto que me deu forças para tomar minha decisão, levantar da cadeira e fazer algo para mudar a minha vida. Não há argumentos para esse texto de Osho. E ele é minha maior dica para quem quer ter um trabalho com significado, seja ele qual for:

"A palavra coragem é muito interessante, ela vem da raiz latina cor, que significa coração. Portanto, ser corajoso significa: viver com o coração: e os fracos, somente os fracos vivem com a cabeça, criam em torno deles uma segurança baseada na lógica, com conceitos, palavras e teorias. eles se escondem.
Viver na insegurança é confiar, amar, enfrentando o desconhecido. E no futuro seguir trilhar perigosas. A vida é perigosa. A pessoa que está realmente viva, sempre enfrentará o perigo. A cabeça é um homem de negócios, o coração nunca calcula nada.
Então sempre que houver alternativas, tenha cuidado. Não opte pelo conveniente, pelo confortável, pelo respeitável, pelo socialmente aceitável, pelo honroso. Opte pelo que gostaria de fazer, apesar de todas as consequências.
Opte pelo que faz seu coração vibrar."
Osho

Essa é uma entrevista do Projeto "Fiz a Travessia", uma série de entrevistas para inspirar e incentivar pessoas a fazerem uma transição para serem mais felizes, satisfeitas e realizadas no Trabalho e na Vida

Se você quer fazer a sua transição para um Trabalho com Significado, faça parte do Programa Travessia.

Veja outras entrevistas, fique antenado nesse link.