Antes e depois da maternidade: a mudança nas pequenas e grandes coisas da vida

Se as questões da maternidade já borbulhavam na minha mente, agora, com o início do Impulso Materno, elas podem ser expressadas e trocadas com iguais. Percebo que muitas mães se sentem sobrecarregadas, principalmente nos primeiros anos da criança. Pra mim, tudo tem sido novo, desde a minha alimentação até a minha forma de trabalhar. Listei abaixo algumas mudanças:

  • Meu tempo não mais só meu. Agora eu sou responsável por um outro ser humano, que tem suas necessidades e precisam ser supridas em momentos que nem imaginava . Trocar fralda quando estava quase saindo de casa virou algo comum. Então me programo para estar nos lugares com no mínimo meia hora de antecedência por que sei que posso atrasar. — lidar constantemente com imprevistos
  • Essencializo as coisas, priorizo a minha lista de tarefas. Quando eu vou fazer algo, ativo as pessoas que, junto comigo, criam o Bento. Meu marido principalmente. Depois meus pais, minha irmã, meus sogros e minhas amigas. Busco compartilhar cuidados com quem eu quero que esteja presente na vida do meu filho é que ele os reconheça como referências também. — criação com rede de apoio.
  • Diminuí meu tempo de trabalho. Era workaholic, trabalhava das 8h às 23h. Tinha dia que eu tinha sessão de coaching às 7h15 da manha e terminava meu dia depois das 23h, no Programa Travessia. Fazia minha ginástica às 11h, almoçava e seguia. Se hoje por 2h seguidas na semana, é um sucesso. Aula de natação, pediatra, coisas que não ocupavam minha agenda. Claro que as atividades são compartilhadas com a rede de apoio, por exemplo, a aula de música é o momento do paizão. Então tenho a oportunidade de trabalhar nesses momentos ou então trabalho picado, com o filhote na barra da minha saia, entre uma brincadeira e outra. — fragmentar tarefas em bloco

> Sou mãe: o mercado de trabalho formal não me acolhe

  • Antes eu encontrava muito os amigos para sair, jantar, ir na casa de alguém. Hoje, 21h30 eu já estou cansada do dia dinâmico. Então prefiro usar as últimas horas do meu dia relaxando com meu marido. Mas sei que sempre posso contar com meu marido para dar uma escapada e encontrar as amigas. — novo estilo de vida
  • Antes eu tinha que lidar só com a minha própria frustração de não conseguir fazer as coisas. Agora, lido com a vida de um outro ser. Ainda bem que compartilho bastante minhas questões e discuto com o meu parceiro. Refletimos bastante sobre a forma que criamos o Bento. — maturidade
  • Antes eu podia errar, porque tinha muito tempo pra consertar. Hoje sinto que tenho que prever as situações porque não quero ficar corrigindo meus erros. O tempo para tudo que não envolve o Bento é bem mais escasso e não ouso desperdiçar o que tenho com ele. — mudança de foco
  • Passei a buscar ser cada vez mais coerente entre o que eu faço, falo e como. Se eu não quero que ele coma alguma coisa, eu não como, por exemplo: carne. Se eu não quero que ele mexa no celular, tento não ficar mexendo. Então tenho que olhar para meus atos e fazer apenas o que eu quero que ele absorva. — coerência
  • Parei de tomar muito café, tomava demais. Hoje tomo cevada torrada, por causa da amamentação. Gostava muito de cerveja artesanal, hoje tomo só uns goles do copo do meu marido. No começo, restringi muito a minha alimentação pois os bebês não têm o intestino desenvolvido. Cortei pimenta, por exemplo, para que ele não tivesse cólicas. Hoje como moderadamente. — consciência.

> Sou mãe: trabalho com o filho do lado e não perco a produtividade [ou perco]

  • Estava há dois anos sem carro, até os 3 meses dele. Achava lindo não precisar procurar vaga, pagar estacionamento, e todos os outros gastos que vem junto com o carro. Aí comecei a ter que carregar muita coisa. Conversando com meu marido, decidimos que um carro seria uma opção que faria meus dias ficarem menos estressantes, mais fáceis e felizes. Isso, nesse momento da minha vida traz mais benefícios do que não ter. — repensar escolhas junto com o parceiro
  • Comia muito fora e estou amando cozinhar mais. Comida caseira é outra coisa. Estou realmente podendo olhar pra uma base alimentar balanceada. Compro muito mais coisas alinhadas ao que acredito, tipo marcas que conheço e confio na procedência, inclusive cosméticos e produtos de limpeza. Assim também posso fortalecer o empreendedorismo. — alinhamento de valores com a ação
  • Antes eu não era tão regrada com exercícios físicos, mas hoje é uma necessidade vital. Não troco enquanto eu posso. Me sinto com mais energia, mais confiante e consigo fazer o que me proponho. Isso aumenta a minha autoestima. — disciplina
  • Vejo muito mais minha família, porque almoço na casa deles e os tenho como rede de apoio. Fortaleceu muito a minha relação com a minha irmã, madrinha do Bento. Antes os via uma vez por semana, no máximo. Agora, nosso encontro acontece todos os dias. Passei a entender mais os meus pais sobre suas atitudes e tenho uma relação muito mais de gratidão. — fortalecimento de vínculos
  • Passei a precisar marcar dates com meu marido. Enquanto antes “namorávamos o tempo todo” agora passamos a marcar momentos pra ficar junto e cuidar de nós, não só do Bento. Isso alimenta a minha alma. — cuidado adicional com os afetos
  • Comecei a me ver formando um núcleo familiar que transcende a minha família de origem. Hoje eu, meu marido e meu filho formamos uma família. Não vejo mais meu marido só como parceiro. Agora ele é também o pai do meu filho. — Pensar em planos familiares

> Quer saber mais sobre o Impulso Materno e participar da próxima turma? Acesse o site e fique ligada nas novas datas. Também acompanhe a página no Facebook, onde sempre coloco dicas, informações, reflexões sobre maternidade e empreendedorismo.