Como falar de 2016, se foi o ano em que tudo mudou?

Até agora foi o ano mais importante da minha vida. Tive um filho e considero essa a maior revolução na vida de uma mulher. Ser responsável e cuidar de outro ser humano me fez repensar ainda mais as atividades essenciais do meu dia a dia.

“Se não estamos fazendo o que importa com o nosso tempo, por que fazer?” Foi das perguntas que mais me fizeram refletir durante o ano.

Ser mãe, para mim, é buscar novos ritmos diários para conseguir encaixar atividades valiosas na agenda. O tempo passa a ser muito precioso. Achar tempo pra me cuidar, pra eu trabalhar, pra namorar, pra ler, pra encontrar as amigas, são atividades que, mais do que nunca, exigem planejamento.

Meu ano parece que se dividiu em duas grandes partes. O antes e o depois de nascer o Bento.

Enquanto estava grávida aproveitei ao máximo para fazer todas as coisas que eu queria. Tive tamanha energia no final da gravidez que eu nem acreditei no tanto de coisa que eu fiz. Facilitei duas turmas do Programa Travessia, quatro workshops Criando seu Trabalho com Significado e fiz 22 processos de coaching individuais de pessoas em transição. Consegui preparar tudo para tirar um tempo e ficar com o Bento na outra metade do ano. Sabia que tudo iria mudar, mas ainda não tinha ideia do quanto.

Na espera da chegada do Bento

Na espera da chegada do Bento

Minhas grandes conquistas do ano começam em junho quando fiz meu parto em casa!

Graças à minha querida parteira, Vilma Nishi e ao meu querido marido, Daniel Izzo, consegui me sentir confiante o suficiente para assumir esse desafio. Foi um dos momentos mais marcantes da minha história, afinal lidei com a vida e a morte simultaneamente. Mas vou deixar esse assunto para outro post.

Depois do parto veio o puerpério, momento delicado e muito importante para mim. Um período intenso de autoconhecimento, onde buscar meu próprio eixo foi o grande desafio.

Encontrar a mãe dentro de mim foi uma conquista. Conhecer o meu lado cuidador, acolhedor e materno gerou em mim outras vontades, outros anseios e outras reflexões.

Uma conquista diária foi e é sentir o amor crescente na relação mãe-pai-filho. É uma dança incrível. A troca de olhares, os sorrisos e a gentileza gerada em cada gesto me encanta.

Meu parceiro e meu filhote! <3 

Meu parceiro e meu filhote! <3 

Conquistas profissionais

Depois que o Bento nasceu só foi possível fazer o que fiz graças a minha incrível rede de apoio. Sem eles não conseguiria fazer nem metade. Mencionei nesse post aqui sobre isso.

Facilitei mais uma turma do Programa Travessia com pessoas que me acolheram enquanto eu descobria como lidar com as vontades do Bento durante os encontros.

Lancei o Programa SerVir: A Biografia do Trabalho e convidei a Karina Schmidt para co-facilitar comigo. Juntas ajudamos as pessoas a criarem uma visão panorâmica da vida sob a ótica do trabalho.

Fiz 6 processos de coaching individuais porque priorizei ficar com o Bento. Facilitei dois workshops e fiz três palestras.

Lancei um desafio online para ajudar quem quer fazer uma transição. Tive muitos aprendizados e farei uma versão melhor no ano que vem!

O Dilema do Ano

Terminei o ano com o mesmo dilema que me encontrei no meio do ano.

Como conciliar a maternidade com o trabalho? Amo o que eu faço e a maternidade também é incrível. Não quero e não vou abrir mão de nenhum.
O tempo para quando ele faz isso comigo!

O tempo para quando ele faz isso comigo!

A questão é criar tempo e espaço para que as duas coisas sejam possíveis. Estou chegando à conclusão de que é uma equação personalizada para cada pessoa. Não tem formula mágica nem trabalho ideal para que dê certo. É muito particular porque depende dos valores e das necessidades de cada mãe, cada família e da sua rede de apoio.

Todas essas conquistas e reflexões geraram aprendizados e vão dar frutos no ano que vem! Aguardem que a criatividade está a mil!

Os aprendizados do meu ano

- dê passos pequenos em direção ao objetivo final

- busque a sintonia fina para conciliar todas as suas vontades e obrigações da melhor forma possível

  • saiba abrir mão do que não é essencial.

Se esse artigo foi útil para você, aperte no coraçãozinho ❤ para que esse texto chegue a mais pessoas.

Outra sugestão de leitura para você:

7 dicas que uso pras minhas resoluções de ano novo