Sou mãe: aprendi a lidar com o imprevisível

lella sa

Hoje foi um dia intenso. Daqueles que você faz várias coisas e, no fim, tem a impressão de que não fez nada direito — mesmo tendo acordado às cinco da manhã. Percebi que isso costuma acontecer quando eu não tenho muita clareza sobre o que eu preciso fazer no dia.

Coloquei o alarme para acordar a essa hora e fazer yoga antes do meu marido sair de casa (para a prática dele). O objetivo era dar de mamar pro Bento, meu filho de quase dez meses, e conseguir fazer meu exercício diário sem ser interrompida. Não deu certo, ele quis mamar mais.

Então decidi sair para andar com ele em volta da pracinha, pelo menos conseguiria fazer a endorfina passear pelo meu corpo. Geralmente ando uma hora e meia, mas dessa vez não deu certo. Ele quis sair do carrinho e brincar.

Chegou a hora da natação. Era a segunda aula dele nessa escolinha, então fui ansiosa para vê-lo dar os sorrisos que ele costuma fazer no banho. Coloquei a touca em mim, tirei o roupão do Bento e entramos na água. Quando ele encostou o dedinho do pé, abriu um berreiro e não parou por quinze minutos. Geralmente ele chora quando o tiramos da água, mas dessa vez foi o contrário. Ele quis sair da água.

> Sou mãe: o mercado de trabalho formal não me acolhe

Fomos para a casa da minha mãe, que é onde almoçamos e geralmente passamos o dia, na esperança de conseguir trabalhar enquanto ele se ocupava com os diversos bichinhos que tem. Normalmente ele fica bastante entretido com a onça e a girafa, mas dessa vez não deu a mínima, quis era ficar no meu colo.

Resumindo, a minha vida tem se tornado um improviso. Eu, que sempre gostei de controlá-la, não tenho mais poder sobre o meu próprio tempo. Claro que eu me frustro e fico chateada. Afinal, tenho que partir da premissa que tudo que eu planejo pode não dar certo. Mas sei que foi uma escolha e que é uma fase — deliciosa, por sinal! Criar este vínculo com o meu filho é a coisa mais importante neste momento, por mais apaixonada que eu seja pelo trabalho.

Isso não tira a minha vontade de trabalhar e nem de me sentir realiza. Não acredito em abdicar totalmente de tudo. Por isso, trabalho em horários diversos, principalmente enquanto ele dorme. Além de ter criado mecanismos para garantir a minha produtividade. Mas isso fica pro próximo post. ;)

> Sou mãe: investi e não deu certo. Por quê?

Impulso materno

Eu e Virginia Luz apresentamos o Impulso Materno, um novo curso, voltado para mães que buscam mais flexibilidade, liberdade e autonomia para conciliar a maternidade com o trabalho. Os encontros em grupo enriquecem o programa, pela troca de experiências entre quem vive os mesmos desafios.

O programa acontece em 12 etapas e tem como proposta o alinhamento do propósito pessoal com o profissional, de forma que a participante se assegure de empreender em algo que a realize profissionalmente e pessoalmente, sem perder de vista a estabilidade financeira.

> Para se inscrever, clique aqui.