Como fica o trabalho quando o filho adoece?

Eu lido muito com planejamento, principalmente depois que virei mãe. Listas, calendário, aplicativos e rotina têm me ajudado bastante. Mas nunca deixo de falar sobre a vida em Beta, que também tem muito a ver com a maternidade. Esta semana, o Bento foi internado no hospital com problemas respiratórios, e eu, que tantas vezes tenho que responder a perguntas, me vi ainda mais sem certezas.

Depois de três dias de internação sem um prazo definido, saímos do hospital ontem. Durante este tempo que pode ser curto mas parecer uma eternidade, tive que reagendar workshop, coaching e reuniões. Não havia outra opção que não a de ficar com meu filho.

Me perguntei, então, como seria se eu trabalhasse em uma grande empresa. Como eu e meu marido somos donos de nossas agendas, temos autonomia para cancelar nossos compromissos. Claro que é preciso lidar com a compreensão das pessoas e abrir mão de uma série de coisas. Mas, felizmente, a cobrança que pesa mais é a interna – talvez a mais pesada de todas, mas nos faz responsáveis por nós mesmos.

Não somos obrigados a provar para ninguém com atestado, ir até RH, ter cota anual para levar filho ao médico. Trabalhamos com nossos clientes e parceiros de uma forma transparente, na base da confiança, que é o que acreditamos. Além de nos aproximar, funciona como uma via de mão dupla, pois as respostas aos e-mails ou telefonemas de reagendamento são carregadas de carinho e apoio.


E você, como faz com o trabalho quando seu filho fica doente? Tem alguma dica que possa ajudar outras mães?

Conteúdos relacionados:

+ Os sinais que o trabalho que estamos fazendo não é o melhor para a nossa realização

+ Hora de começar a repensar trabalho e me aliar a outras maternas

As inscrições para o Impulso Materno estão abertas. A próxima turma começa em agosto. Inscreva-se!