empreendedorismo

Para ter um trabalho com significado, não é preciso ter uma ideia genial; é preciso acreditar em si mesmo

Esqueça a ideia que para empreender é necessário ser criativo. Às vezes, presas nesta ideia, as pessoas deixam de investir em uma ideia ou partem para uma franquia, na vontade de tocar um negócio. Mais que criatividade, o importante mesmo é saber reconhecer os próprios talentos e entender como empregá-los na área desejada.

Para começar, é importante se perguntar qual é a necessidade do mundo que você quer sanar. E talvez isso seja mais fácil do que você imagina. Olhe pra sua própria necessidade, o que te faz falta neste mundo?

A Miri Stock, que participou de um do Programa Travessia, sentia a necessidade de trabalhar o seu feminino através do prazer. Percebeu que isso era uma questão para muitas outras mulheres e criou o Prazerelas, projeto que visa empoderar mulheres por meio de sua própria sexualidade.

Empreender não acontece de fora pra dentro, mas de dentro pra fora. É necessário se identificar com a causa, até para conseguir enfrentar os momentos de dificuldade que irão surgir. Sem uma afinidade com o projeto, fica mais fácil desistir que tentar se reerguer. 

Por isso que digo que autoconhecimento é fundamental para criar um trabalho com significado, seja empreendendo ou não. Iniciar um negócio nem sempre é a melhor opção, e se você conhecer seus incômodos e prazeres, vai saber o que fazer, onde investir - pode ser dentro da própria empresa de atuação. 

Pergunte às pessoas pelo que elas te reconhecem, compartilhe sua ideia e peça feedback. Para isso não é preciso que o projeto esteja perfeito e "redondinho", isso vai acontecer com o tempo e conforme for amadurecendo. Acredite!

Se você gostou do texto, clique no ❤ aí embaixo. Fazendo isso, você ajuda essa história a ser encontrada por mais pessoas.

 

Como se organizar no segundo semestre para manter as suas metas do ano

Lembra no começo do ano, quando eu disponibilizei um Exercício de planejamento para 2017? Quero saber se foi útil para você e se está conseguindo seguir as metas para o ano. Neste post falo sobre como não se perder do propósito e, para quem não iniciou uma transição, como usar esses próximos seis meses de forma a possibilitar uma grande mudança em 2018.  

Dê o primeiro passo!

- Pense nas vontades que você sempre teve e ainda não conseguiu realizar. Seja pintar um quadro ou fazer uma grande viagem.

Liste seus incômodos.

- Elenque o top 1 deles como objetivo de transformação. Em paralelo, liste aquilo que você gosta na sua rotina e busque formas de manter.

Se dedique na auto investigação

- Reserve um dia da semana para fazer atividades reflexivas com perguntas norteadores (exemplo: o que eu gostava de fazer quando era criança?).

Converse com quem pode te ajudar

- Reserve ao menos dois cafés por mês com pessoas que já fizeram a transição ou trabalham na sua área de interesse - pergunte a elas sobre as dificuldades, os desafios, as coisas boas e como funciona o dia a dia delas. 

Abra tempo na sua agenda para o novo entrar

- Abra tempo na agenda para o novo. É preciso estar disposto a se dedicar fora do expediente para descobrir o que você quer fazer. Se não mudar nada, não descobrirá novas respostas. 

Procure instituições para experimentar algo novo

- Faça trabalhos voluntários na área de interesse. Coloque suas habilidade a disposição.

Procure vivências que estimule o autoconhecimento

- Atividades como meditação, yoga, resgate biográfico são experiências que estimulam a conexão consigo mesmo.

Encontre outras pessoas

- Crie vínculos com pessoas alinhadas com aquilo que você acredita. Um habito demora 21 dias para se estabilizar e é muito mais fácil quando é feito em coletivo. Um exemplo é a corrida. Se você decide começar a praticar, é muito mais fácil se comprometer quando há um grupo, onde um motiva o outro. Cursos sempre são uma ótima oportunidade para encontrar pessoas com as mesmas afinidades. O Travessia começa em agosto! 

Respire novos ares

- Vá a lugares diferentes a cada semana. Experimente um café, um restaurante, um espaço de trabalho, um parque. Comece a frequentar grupos e lugares que compartilham dos seus valores e questionamentos.

Se prepare financeiramente.

- A gente passa a vida inteira se formando em algo especifico numa carreira. E aí de um dia pro outro a gente quer ser reconhecido em outra coisa e isso não vai acontecer da noite para o dia. É importante não depender financeiramente dessa nova atividade, no primeiro momento. Avalie se o dinheiro não está onerando demais a sua proposta - não apenas pelo propósito, mas pela saúde do negócio que precisa de reconhecimento, reputação, aprimoramento, etc.

Tenha paciência. Uso o que você já sabe fazer.

- Não negue as habilidades pelas quais você já é reconhecido. Use-as a seu favor. Muitas vezes as pessoas querem mudar totalmente e ignoram a curva de aprendizagem que demora. Querem ser reconhecidas em pouco tempo.

Reflita sobre seu estilo de vida

- Pense no estilo de vida que você quer levar (horas que quer acordar, onde mora, com quem, em que cidade, que amigos vc tem a sua volta). Descreva como seria um dia ideal daqui 10 anos, do começo até dormir – isso ajuda a entender a essência do que se quer viver.

Por fim, é importante levar em consideração que transição leva tempo e a medida é relativa. Sinto que, na verdade, é infinita, pois sendo progressiva, sempre podemos realizar cada vez mais. Cada pessoa está num processo e o que é fácil para um, pode ser difícil para outro.

Outra questão é que nem sempre a saída é o empreendedorismo. Uma mudança pode acontecer dentro da própria empresa ou de indústria ou setor. Recomendo saber do que você não abre mão num trabalho que te satisfaça, em termos de necessidades básicas e valores. Se for o caso de fazer uma transição, entenda o que realmente quer a partir dessa fase de experimentação e se aprofunde na escolha.

Se você gostou do texto, clique no ❤ aí embaixo. Fazendo isso, você ajuda essa história a ser encontrada por mais pessoas.

9 perigos da autocrítica

autocritica, blog, trabalho com significado.jpeg

9 perigos da autocrítica

Avaliar a si mesmo é essencial. Parar para se observar, enxergar o que é preciso mudar, aprimorar ou permanecer. Mas quando o julgamento toma conta e começa a determinar ou impossibilitar ações, a autocrítica para de ser produtiva e passa a ser impeditiva. Durante um processo de transição, ela se torna uma armadilha quando:

#1 A busca pelo perfeccionismo

A pessoa nunca está pronta, quer ser perfeita para se apresentar ao mundo ou dar o próximo passo. Quando isso acontecer, é importante projetar, prototipar e agir.

#2 Paralisa porque a opinião alheia se torna o foco

A transição exige muitas renúncias e é difícil se desapegar dos indicadores de sucesso que a sociedade preza para dar espaço ao que é realmente importante pra cada um

#3 Medo da frustração

Se vê diante de uma possível frustração, que pode ser muito dolorosa já que terá investido muita energia em vão. Então acha melhor ficar onde está. Quando isso acontecer, se permita errar. Certamente você vai errar ao longo do caminho. Lembre-se: errar é aprender.

#4 Não vê um diferencial no que quer fazer

Não faz por não ter um projeto único. "Tem tanta gente fazendo e a concorrência é enorme, então por que o meu seria interessante?" - se pergunta. 

Já é único pelo simples fato de ser você quem está fazendo.

#5 Se colocar como especialista sobre determinado assinto, então não pode errar.

Saber tudo sobre algo enrijece e impossibilita aprimoramento. Estamos sempre aprendendo.

#6 Acha que tem uma ideia genial e não quer compartilhar.

Quanto mais você compartilha, mais se escuta e mais feedback tem. Ao colocar algo como perfeito, mesmo que cru, se não der certo, aí sim a frustração pode ser grande.

#7 Controlar 100% o caminho

Traça um caminho e se fixa nele, sem espaço para novas possibilidades que possam surgir. Valoriza o imediatismo, no lugar do processo.

É importante enxergar entre os tons das cores, possibilidades entre cada passo a ser seguido. Se abrir para o caos organizado e permitir que o imprevisto aconteça. Você pode se surpreender com os resultados.

#8 Naturaliza habilidades, sem enxergar o valor que elas têm.

Às vezes os talentos não são extraordinários, podem ser as coisas mais simples e mais fáceis para você, mas não para outra pessoa. 

#9 Não faz porque não tem todas as habilidades.

Executar bem uma coisa só já é o suficiente. Entender quais são as habilidades complementares pode fazer surgir ótimas parcerias ou até despertar novos interesses

Se você gostou do texto, clique no ❤ aí embaixo. Fazendo isso, você ajuda essa história a ser encontrada por mais pessoas.

Quer fazer a transição para um trabalho com significado? Veja o Programa Travessia 

Para quem você direciona seu trabalho? —  como e por que definir

Você já ouviu falar em persona? Muito usado no marketing, o termo se refere à pessoa para quem você direciona seu trabalho. Definir isso é fundamental antes de iniciar qualquer empreendimento.

Diferentemente do público-alvo, que é um perfil que contêm várias pessoas, a persona é um personagem que representa seu público alvo. Quando traçado a persona fica muito mais fácil pensar em como se comunicar e o que oferecer. Não há como circular de maneira fluida em um espaço que você não conhece.

Para te ajudar, algumas reflexões são importantes:

  • Qual é o perfil das pessoas com quem você gostaria de colocar seus talentos a serviço?
  • Quais são os problemas do público que você deseja atender? — Foque nos problemas.
  • Quais são as coisas que ela precisa fazer? — Entenda as necessidades, objetivos e desejos (usar verbos).
  • Quais são as coisas que a motivam? — Busque o que a faz movimentar, o significado pessoal.

A partir daí, crie a sua frase: um nome; adjetivos que representam a pessoa em mente e suas necessidades.

Exemplo:

Giovana, uma jovem que saiu do mercado corporativo há alguns anos. Engajada na economia colaborativa e nas “novas formas de viver”, precisa de uma maneira para suprir a sua necessidade de ser reconhecida pelo que faz e ser valorizada financeiramente — de forma que a faça sentir mais confiante e tranquila para continuar trabalhando alinhada ao que acredita.

Traçada a persona, hora de planejar e prototipar como sanar essas necessidades. Falo sobre isso em um próximo post.

Fazer a transição é gratificante mas exige coragem, enfrentar os medos, planejar os próximos passos e começar. Se você quiser um empurrãozinho para seguir seus objetivos, conte comigo!

Meus aprendizados ao me tornar autônoma e trabalhar em rede.

Meus aprendizados ao me tornar autônoma e trabalhar em rede.

Muita gente busca por sentido, significado, propósito e acha que depois que tudo isso é descoberto, irá só gozar da vida. De fato, essas conquistas são essenciais para levar uma vida plena. Mas, descobrir seu verdadeiro propósito é uma coisa, colocá-lo em prática é outra! rs

Compartilho com vocês alguns dos meus aprendizados nessa trajetória de empreeendedora autônoma, ou seja, empreendedora da minha própria vida:

1 - EXISTE ANSIEDADE MESMO SABENDO SEU PROPOSITO

A ansiedade de compreender, ou melhor, sintetizar o propósito, não existe mais. Porém, aansiedade de saber qual caminho vai ser percorrido existe, pois percebi que só agora que começou o jogo! Ansiedade, se bem dosada, é importante porque nos leva adiante. Precisamos apenas ficar atentos para que ela não nos traga angústias.

2 - DISCERNIMENTO É A CHAVE PARA AGIR

Desenvolver autonomia, na minha opinião, significa: empreender a nossa própria vida através do autoconhecimento. Feito isso, ganhamos liberdade para compreender quem somos e quais são as nossas necessidades. Porém, é fundamental que haja discernimento para olharmos as necessidades do mundo com mais atenção e fazermos o que realmente precisa ser feito, ao invés de fazer apenas aquilo que irá suprir nossas necessidades pessoais.

2 - COMUNICAR O "PORQUE" AO INVÉS DE "O QUE"

Saber comunicar o porquê faço o que faço me aproxima das pessoas. Se eu comunicar só o que eu faço, me restrinjo a um campo de possibilidades porque o formato pode não ser adequado para determinada pessoa. Se ela souber o porquê, ou seja, o propósito daquela ação, posso atendê-la de diversas formas.

3 - CRIAR FORMATOS BASEADOS NAS NECESSIDADES DO SEU PÚBLICO ALVO

Compreender seu público alvo é saber com quem você quer mais interagir. Depois que fiz meu estudo de público-alvo, ficou mais fácil de criar soluções de acordo com suas necessidades. Além disso, apostar em vários formatos de atendê-lo, na minha opinião, é melhor do que apostar só em um, desde que todos eles estejam alinhados com o seu propósito e com as necessidades do mundo.

4 - PROCESSOS PONTUAIS TE DÃO LIBERDADE PARA ESTAR EM QUALQUER LUGAR

Um produto ou um serviço que tem começo, meio e fim te permite a realizá-lo onde quer que você esteja. Foque em algo que tenha confiança em oferecer às pessoas. Pense em uma opção de curta duração, um encontro por exemplo, e outra de longa duração para ter a oportunidade de servir várias necessidades. Desta forma, também há um fluxo financeiro próspero. Esse processo pode se dar em diversos formatos, como por exemplo, workshops, livros, viagens, etc. Por exemplo: o workshop "Criando seu Trabalho com Signficado" acontece a cada 45 dias e tem duração de 3 horas.

5 - PROCESSOS RECORRENTES TRAZEM SEGURANÇA 

Um processo cíclico, sem começo, meio e fim, com interações periódicas, te dá a oportunidade de focar no desenvolvimento das pessoas. Por consequência, traz segurança financeira mensal. Crie algo que as pessoas possam participar a qualquer instante e constantemente para que você possa acompanhar o processo delas. Os formatos de interação recorrentes são vários, por exemplo: entrega de produtos/serviços em pacotes mensais, consultoria, atendimentos, sessões, encontros em grupo, etc.  

6 - EXPONHA O SEU PROCESSO CRIATIVO

Aprendi com o grande Austin Kleon, no seu livro "Show your work" que devemos mostrar o nosso processo criativo e não apenas a arte final. Compartilhe o que você está fazendo pois isso ajuda as pessoas a se aproximarem de você!

Esses foram alguns dos meus aprendizados no processo de desenvolver autonomia e viver em rede. Se você quiser ajuda no seu processo, veja qual oportunidade supre mais as suas necessidades clicando aqui

De Modelo virei Coach para ajudar pessoas a criarem um Trabalho com Significado

De Modelo virei Coach para ajudar pessoas a criarem um Trabalho com Significado

Hoje, a pressão para o avanço profissional para atingir o sucesso é muito profunda. Mas afinal, o que é sucesso?

O princípio de que o que se deve fazer na vida é ganhar o máximo de dinheiro possível faz todo sentido quando vem seguido do comentário do filósofo Barry Stroud ementrevista para o Estadão: "as pessoas estão mais ricas, mas vida hoje é mais pobre."

Concordo. As pessoas estão menos ricas emvida com significado. É como se hoje vivêssemos no piloto automático, deixando as coisas fluírem sem pensar que podemos escolher o destino do fluxo. Eu me percebi no piloto automático aos 18 anos e hoje vou contar como saí dele.

Dos 15 aos 18.

Mudei de carreira quando me dei conta que sucesso para mim não era dinheiro, fama e glamour - era outra coisa.

Aos 15, comecei a minha carreira como modelo, viajava pela Ásia e ganhava muito dinheiro. Eu podia comprar tudo, viajar para qualquer lugar a qualquer hora. Mas, depois de diversos comerciais, caminhadas na passarela e editoriais, me deparei numa cena comum do dia a dia, que, naquele dia soou diferente.

A diretora comentou com o produtor:

"Você poderia mudar a mesa para a direita e a modelo para a esquerda?"

Nessa hora, me dei conta que eu era tratada como um objeto assim como a mesa, então, me senti um cabide vivo ou uma pessoa sem consciência daquilo que estava fazendo. Um turbilhão de pensamentos passou pela minha cabeça e fiquei me perguntando por que eu estava lá naquele momento. A cada pose que eu fazia, caía mais uma ficha.

Ao longo do tempo, percebi que não havia nada que pudesse comprar a minha felicidade. Quanto mais famosa eu era, mais deprimida eu me sentia. Ser modelo de desodorante, shampoo ou de leite não me fazia ser reconhecida por ser uma pessoa que fez alguma real transformação no mundo. Por isso, ao sair daquele estúdio, cortei meu cabelo curto como ato de garantia de que eu não poderia voltar a esse mundo sedutor sem escolher o que eu queria representar com a minha imagem. A partir de então, sabia que eu precisava começar a minha busca por aquilo que fazia sentido para mim. 

Dos 18 em diante

Largar a profissão de modelo no auge da carreira com pedidos para fazer parte de novelas e ser miss foi a melhor coisa que eu fiz. Não foi a decisão mais fácil e nem o caminho mais divertido, mas definitivamente foi o começo de uma jornada em busca da minha verdade.

Começei então, a buscar viver com mais propósito. Entendi que "propósito" significa ter um trabalho com significado e um estilo de vida alinhado com os meus valores. E a autorrealização é um dos valores que eu não abro mão. Por isso, desde então, me pergunto "Por quê eu faço o que eu faço?" para me ajudar a entender o que está por trás da minha ação.

Quando encontrei o meu trabalho com significado, fazendo o que amo, topei - e ainda topo - passar por desafios porque percebi que eles fazem parte da minha caminhada. Sair da minha zona de conforto não foi agradável mas serviu - e ainda serve - como oportunidade para que eu possa experimentar outras vivências que realmente me desenvolvem.  

Hoje

Depois de quase 12 anos, percebo que se eu tivesse a consciência que eu tenho hoje com a fama que eu tinha na época de modelo, teria criado muito mais impacto positivo na sociedade. O que quero dizer com isso é: Não existe caminho certo ou errado. Existe o caminho que faz sentido pra gente e isso só acontece quando vem de dentro.

Atualmente, tudo o que eu faço tem o objetivo de desenvolver a minha liberdade, autonomia e responsabilidade integral, dessa forma ajudo os outros. Consequentemente procuro criar uma sociedade mais consciente, ou seja, autorregulada, auto gerida e autossuficiente. Para saber de que forma eu me esforço para isso, vem cá que eu te explico.

Todos merecemos trabalhar com significado e obter propósito na vida para os olhos brilharem, o coração bater mais forte e para que a nossa dedicação possa valer por toda ela.  

Se você está buscando formas para orientar o seu caminho e ter clareza do seu norte, o workshop "Criando seu Trabalho com Significadoque dou mensalmente, em São Paulo, vai te ajudar! Para mais informações, clique aqui

Quem é Lella Sá?

Quem é Lella Sá?

Questões pessoais que ajudaram a desenvolver o meu trabalho com significado. 

Ontem li a história de uma menina que não produz lixo há 2 anos. Ela se percebeu uma grande hipócrita por valorizar a sustentabilidade e o meio ambiente e utilizar tanta embalagem. Quando se deu conta que não estava coerente com os valores dela, ela mudou seu estilo de vida. Percebo que as pessoas estão cada vez mais caminhando em direção a viver o que acreditam e portanto, trabalhar com o que amam.  Mas, por incrível que pareça, muita gente ainda precisa de um empurrãozinho. Por isso, vim aqui contar pra você o que estou aprendendo para desenvolver meu trabalho com significado. 

Sou inquieta e tenho uma incessante busca pela minha própria liberdade para viver no ultimo grau de autorrealização plena. E o trabalho é a minha maior ferramenta pra isso.

Para mim, trabalho é vida. Se eu não faço o que amo, sei que outra necessidade interna está me movendo. E se essa necessidade não estiver servindo ao meu propósito, não vale a pena.

Depois de experimentar vários formatos de trabalho, entendi que eu precisava criar o meu jeito, aquele que me desse significado. Um trabalho com significado, para mim, é viver meus talentos e paixões para servir uma necessidade do mundo.

O norte do meu trabalho com significado é guiado pelo meu propósito. E quando finalmente encontrei, entendi que o que me traz significado, é - proporcionar às pessoas algumas soluções para que elas possam se guiar e também encontrar o seu caminho. O que me faz realizada de verdade é ajudar você que ainda não encontrou um norte, a olhar pra dentro de si e descobrir competências e habilidades, para fazer o que ama. Afinal, pra que estamos aqui se não para explorar nossos sonhos?”

Tenho necessidade de liberdade, autonomia e autorrealização, portanto transformei minhas necessidades em oportunidades. Resumidamente,  trabalho com autoconhecimento através docoaching para quem quer mais significado para a vida e o trabalho.

Além disso facilito grupos que buscam autonomia através do Estaleiro Liberdade e minha base conceitual é a Antroposofia.

Todas as formas que atuo me dão liberdade para ajudar pessoas e me dá autonomia para trabalhar a hora que eu quiser, da onde eu quiser. Ao ter clareza dos meus valores pessoais consegui elencar critérios balizadores para dar forma ao meu trabalho com significado.

 

Acredito que é possível criar um estilo de vida com propósito fazendo o que ama e cultivando relações mais profundas e verdadeiras. Além disso, descobrir o seu ritmo para fazer as coisas é essencial. Valorizar uma vida mais colaborativa – emrede -, constrói vínculos com liberdade eautonomia onde cada pessoa pode resguardar a sua autenticidade e a identidade única que a pertence. É importante fortalecermos as relações para viver como autônomo, entendendo que a interdependência é o que nos leva mais longe. O importante é fortalecer aquilo que é comum para que, em conjunto, possamos ser complementares – e não competitivos. Afinal, todo mundo tem espaço para atuação.


Se você está em busca de um trabalho com significado, usar a sua Bússola Interna pode te ajudar a orientar seu caminho. Pra isso, criei o workshop “Criando seu Trabalho com Significado” no dia 17/12 e você é meu convidado especial. Entre no link e se inscreva.

BÚSSOLA INTERNA - Uma ferramenta para você encontrar coerência entre o seu sonho e a realidade.

BÚSSOLA INTERNA - Uma ferramenta para você encontrar coerência entre o seu sonho e a realidade.

A correria do dia a dia e as demandas que a sociedade nos impõe, às vezes nos coloca em piloto automático. Percebi que “deixar a vida me levar” como diria o Zeca Pagodinho, não é a forma que eu quero viver. Busco tomar a vida nas minhas mãos. Mas, fazer isso envolve olhar pra dentro, refletir e sentir o que realmente vale a pena ser vivido.

Mergulhar em si mesmo não é algo fácil e às vezes acessamos informações que desconhecemos. Cada um de nós tem um jeito de ver e viver a vida. Pra mim, o autoconhecimento é essencial para obter respostas e através dele pude reconhecer que a essência do meu trabalho e o estilo de vida que almejo estão absolutamente relacionados.  No que isso resulta? No trabalho com significado e no estilo de vida com propósito.

Cada pessoa carrega sua bússola interna e pra mim, olhar pra dentro é consultá-la sempre que preciso. Pra você entender melhor, chamo de “Bússula Interna" o mapeamento para exercer uma vida com propósito. É a combinação da missãovisãovaloresnecessidadespaixõeshabilidades, entre outras coisas que me ajudaram e também podem ajudar você a se sentir autorrealizado.

Cada pessoa carrega a sua Bússola e se orienta no percurso da vida. Algumas de forma mais consciente. Outras, menos. Quando consegui materializá-la, ela passou a ser minha ferramenta para tomar decisões. Sabe aqueles momentos em que estamos indecisos, sem saber qual é o próximo passo? Então. A Bússola Interna serve como guia.

Por causa disso, convido você a participar do workshop “Criando um Trabalho com Significado” onde irei apresentar a Bússola Interna para você relembrar da sua. Em algumas horas, vou compartilhar algumas questões que me trouxeram clareza para consolidar meu estilo de vida com propósito. E quer saber? Vou adorar te contar minha experiência e possibilitar que você encontre suas próprias respostas.

 Aqui, algumas informações sobre o workshop:

*  Criando seu trabalho com significado

Quando: 17/12

Onde: Laboriosa 89 (Rua Laboriosa, 89 - Vila Madalena São Paulo - SP)

Valor: R$ 85,00

Clique aqui para fazer a sua inscrição pelo Cinese

Bússola Interna - Cada um tem a sua.