transição de carreira

Cursos e Encontros que recomendo para quem está em Transição

Cursos e Encontros que recomendo para quem está em Transição

Quando a vida não está fazendo muito sentido precisamos explorar alternativas diferentes. Sair da “caixa” e enxergar outros pontos de vista traz novas perspectivas para a sua situação. Albert Einstein já dizia “Não podemos resolver nossos problemas usando o mesmo tipo de pensamento que criou esses problemas.”

1-s6pEaY3LreZPFjvmVrz0Mw.jpeg

Fazer cursos e encontrar pessoas diferentes foi um passo importante na minha transição e por isso compartilho com vocês alguns que eu acho interessante. Listei cursos das áreas de empreendedorismo e autoconhecimento que eu já participei ou que conheço e confio.

Espero que você goste! ❤

Encontros

Fuck up Nights

Criado em setembro de 2012, no México, o FuckUp Nights começou como um desabafo no bar entre amigos e hoje o evento já é realizado em +80 cidades em +30 países como Índia, Estados Unidos, Espanha e Colômbia.

Em uma noite leve, é compartilhado histórias de fracassos e celebrado os aprendizados dos erros. Há sempre uma dinâmica inicial para você ver que não está sozinho nos fracassos…e depois uma apresentação de três convidados mais do que especiais que compartilham uma de suas histórias de fracasso. O próximo em São Paulo será dia 28 de julho! Se inscreva aqui.

Base papo

A Base Colaborativa é um espaço, um grupo, uma associação, um movimento. Pode chamar do que quiser. A verdade é que ela é a tentativa de fazer com que pessoas que estão mudando o mundo e pessoas que querem fazer parte desse movimento se conectem. Conectem uns com os outros, conectem com a realidade, com novos conceitos e novas inspirações. Além disso, a Base se autodenomina uma escola, que quer aprender com quem já esta fazendo. Toda quarta-feira tem o “Base Papo” com pessoas renomadas que contam suas experiências e ideias que merecem ser compartilhadas e depois tem um bate papo com os convidados. Acompanhe a página no facebook para saber quem são os convidados dos próximos encontros.

Hoffice

O Hoffice tem tudo a ver com o conceito de economia colaborativa e pode ser definido como um coworking gratuito ou uma reunião de profissionais de diferentes empresas e áreas em um mesmo lugar, sem intenção de lucro, com o objetivo de compartilhar o espaço e trocar ideias e experiências. É considerada uma rede para todos com flexibilidade que necessitam de espaços de trabalho criem uma atmosfera de trabalho em locais diferentes, como a casa ou o escritório de alguém. Entre no grupo do facebook e veja quando e onde será o próximo encontro!

Conversas de impacto

É um ótimo evento para conhecer pessoas interessadas em fazer uma mudança com impacto positivo na sociedade. O evento é mensal e realizado pela Vox Capital. Um encontro informal de convivência para conectar com pessoas que compartilham o desejo real de mudança. E que fazem acontecer, claro! Cada mês um tema é abordado. Para saber mais sobre as próximas edições acompanhe a página do facebook.

Impact Hub

Uma comunidade de empreendedores presente em mais de 80 cidades do mundo com pessoas inspiradoras e oportunidade de trabalho e negócios. Com duas unidades em São Paulo, contam com uma gama de eventos para você conhecer pessoas e aprender novas habilidades. Quando eu estava num processo de mudança, foi essencial participar para aumentar a minha rede, conhecer um universo novo e me conectar com pessoas mais alinhadas aos meus valores. Saiba mais sobre o Impact Hub e suas formas de participação.

Cursos

Ninho dos escritores

Escrever é uma forma de se conhecer melhor e explorar alguns temas latentes. É um projeto voltado para pessoas que desejam escrever, encontrar outros escritores e construir uma comunidade de pessoas que possam contribuir umas com as outras. É um projeto sem professor, mas não sem guia. É colaborativo e todos têm voz e espaço para manifestar o que sabem e o que desejam saber. São propostos exercícios semanais com críticas individuais e coletivas, pautando as discussões sobre os temas que estiverem mais latentes na escrita do grupo. Deixe seu email nesse link para receber a newsletter e saber quando será a próxima turma.

Germinar

O Programa apresenta ferramentas para o desenvolvimento social e considera a pessoa como o centro desta transformação. ao

Depois da formação é percebido indivíduos mais conscientes, com autopercepção de si e isso tem reflexo em seus entornos imediatos, relações de trabalho, família, amigos e comunidade. O diferencial do programa está em estimular a vontade de trabalhar e aprender em grupo. Há turmas em diversos estados do Brasil e na América Latina. Entre nesse link para ver quando será a próxima turma perto de você!

Art of hosting

É chamado de Arte de Anfitriar, porque é uma arte tornar-se hábil em ajudar a nós mesmos e os outros a funcionarmos bem juntos, especialmente nestes tempos de crescente complexidade. Arte de Anfitriar combina um conjunto de poderosos processos conversacionais para convidar as pessoas a agir e lidar com os desafios que encontram. Grupos e organizações que usam a Arte de Anfitriar em suas práticas de trabalho relatam melhorias no processo de tomada de decisão, bem como processos mais eficientes e eficazes de desenvolvimento de capacidades, e uma maior capacidade de responder rapidamente às oportunidades, desafios e mudanças. Infelizmente não sei quando será a próxima turma no Brasil, mas fique antenado nesse link.

Criando o meu Manual de Identidade Digital

Todo mundo que quer ter mais autonomia e liberdade, na minha opinião, precisa saber usar as mídias digitais a seu favor para se tornar relevante. Isso é possível ao se posicionar e expressar a sua autenticidade. Os dois primeiros encontros são voltados para o autoconhecimento e os dois últimos encontros são voltados para o posicionamento e expressão, usando a internet como plataforma base. O curso foi feito para quem não sabe por onde começar e precisa de auxílio para se comunicar com quem precisa de você. Saiba mais no site da Mayara Castro.

Seu site feito por você

Eu acredito que todo mundo deve ter uma “casa online” para se expressar no mundo. Fazer o meu próprio site foi um processo de autoinvestigação e continua sendo a medida que mexo nele. Eu aprendi a fazer meu site sozinha no squarespace mas eu adoraria ter tido uma ajuda incial. Por isso recomendo tanto esse curso de dois dias com a Mari Pelli ! O Squarespace é uma ferramenta para criar e administrar lindos projetos com autonomia, sem depender de especialistas. O próximo workshop em São Paulo acontece dia 6 de agosto! Saiba mais nesse link.

Launch

Um curso online que recomendo muito. Tem ótimas dicas para dar vida à sua ideia e lançar seu projeto significativo. O curso conta com conteúdos em vídeo, ferramentas em PDF, missões online e uma comunidade para trocar experiências. Você pode adquirir o curso pelo valor que achar justo e pode fazer a hora que quiser! É só baixar o material nesse link!

Líder de si

É considerada uma escola de autoconhecimento e autodesenvolvimento com um encontro por mês durante um ano. O objetivo é ajudar o indivíduo a realizar sonhos e projetos de vida, baseados no protagonismo adquirido da própria biografia. Tudo isso, através da formação de vínculos de afeto, de alegria, de espaços de compartilhamento e do senso de comunidade. Atuam a partir da Antroposofia, uma ciência espiritual capaz de transformá-lo em agente da própria história e lhe dar autonomia sobre suas decisões e sobre seu futuro. A próxima turma em São Paulo começa dia 6 de agosto! Saiba mais aqui.

O que sua vida diz pra você?

Um workshop de dois dias que passa pelos ciclos da vida para compreender em que lugar da caminhada você está. Ter um vislumbre de sua vocação, de sua missão de vida e de seus anos sagrados (30 aos 33 anos) é uma oportunidade para integrar e tomar consciência de sua caminhada na vida. Usando a metodologia biográfica baseada nos conceitos da antroposofia. Se você quiser entender mais, fale com a Karina Schmidt nesse email ou no facebook.

Curso Florescer

É uma alternativa para mulheres empreendedoras, que precisam de uma pausa no tempo, conectar-se consigo mesma e realinhar os ponteiros. O curso acontece durante um final de semana, em um chalé charmoso em Campos do Jordão — SP em pleno contato com a natureza. É trabalhado o autoconhecimento e o autodesenvolvimento através de estudos baseados na Antroposofia. A próxima turma será do dia 2 a 4 de setembro! Saiba mais nesse link.

Travessia

Claro que não poderia deixar de falar do Programa Travessia que desenhei especialmente para ajudar a elaborar um plano de transição para quem quer criar um trabalho com significado e deseja viver a sua autenticidade. O programa tem 12 encontros presenciais e começa dia 14 de setembro em São Paulo! Saiba mais nesse link.

Gostou das dicas?

Então clica no coraçãozinho aí embaixo. Ao fazer isso você ajuda esse artigo a ser encontrado por mais pessoas.

Por que separamos vida profissional de vida pessoal?

Formatura do programa Ser.Vir na Casa Cuore

Formatura do programa Ser.Vir na Casa Cuore

Herdamos da revolução industrial a necessidade de ser quase uma máquina que produz incessantemente, ignorando necessidades pessoais. Assim se mantém o sistema a que estamos submetidos. Então, muitas vezes as pessoas encaram o trabalho como algo onde não é permitido mostrar sentimentos e emoções.  Muitas vezes é preciso agir de uma forma completamente diferente de quem se é.

Ao meu ver, é impossível um trabalho com significado se não houver a quebra dessa barreira que divide as duas coisas.

Recentemente fiz a pergunta: "O que significa a trabalho para você?". Algumas respostas foram:

Trabalho pra mim é um local/ação que eu aprendo coisas novas todos os dias, da maneira que esse conhecimento se apresentar e no final tenho um sentimento de satisfação/propósito. – Nathan Parada

‘Aquela parte chata da vida que proporciona aquelas coisas legais da vida” – Beatriz Izzo

“Vida, fluxo, complemento, meio para um fim/propósito.” – Mari Viana

TRABALHO = DIGNIDADE?

Acho estranho que passado tanto tempo e diante de tantas revoluções, aquele pensamento antigo se mantenha, onde a dignidade se faz do trabalho suado. Se já o nome, com raíz do latim, carrega as marcas de um objeto de tortura da antiguidade, tripalium, já deveria ter sido ressignificado.

Pelo contrário, temos a mania de valorizar o que é referente a trabalho e desmerecer o que é lazer ou cuidado pessoal. Quantas vezes as pessoas não justificam faltas em compromissos por causa de trabalho. E se é trabalho, está tudo bem! O mesmo se faz do contrário, quando só aceitam algo se for por esse motivo. Até quando?

Uma participante do workshop Reset que ministrei no mês passado, contou que numa mesma época perdeu o pai, o emprego e mudou de casa. Quando as pessoas se dirigiam a ela só perguntavam quando voltaria a trabalhar.

TRABALHO VIROU OBJETO DE STATUS E ESCUDO E DESCULPA PARA NÃO LIDARMOS COM OS SENTIMENTOS – OS NOSSOS E OS ALHEIOS.

Resta saber o quanto cada um de nós está realmente a mudar essas crenças. Cabe a nós começar a fazer essa mudança e introjetar dentro de nós. Responder diferente do que é dito e posto. 

Quando eu falo sobre trabalho com significado, é algo que gere remuneração sim, pois é necessário, mas que esteja intimamente ligado ao que se é individualmente – o propósito, a história de vida de cada um, os talentos, etc. Por isso está totalmente ligado ao pessoal e ao autoconhecimento. Falo sobre isso num próximo post.

Se você gostou do texto, clique no aí embaixo. Fazendo isso, você ajuda essa história a ser encontrada por mais pessoas.

Se você quer fazer a sua transição para um Trabalho com Significado, faça o Programa Travessia.

Quando a segunda-feira vira o pior dia da semana

Chega o domingo à noite e já começa uma agonia? Na segunda, fica difícil levantar da cama ao pensar que é necessário ir ao trabalho? Talvez seja a hora de repensar ao que você tem dedicado seu tempo e sua energia, pois a síndrome da segunda-feira é um dos indicativos que as coisas não vão lá muito bem.

Conheço gente que todas as vezes que ia abrir o e-mail de trabalho, tinha uma dor de barriga. Ela tinha medo dos emails de seu chefe e, se já era difícil encarar o virtual, chegar na agência e ter que conversar com ele era pior ainda. Os valores que aquela pessoa aplicava no dia a dia de trabalho e na dinâmica entre a equipe eram muito contrários ao que a funcionária acreditava. 

Outro problema se relaciona com o tempo dentro de um escritório, que leva muitas pessoas a terem uma sensação de estarem jogando a vida fora. Com a jornada de oito horas, que em vários casos se estende pra dez ou até catorze horas, instaura-se uma dinâmica obrigatória, entre trabalho e casa/casa e trabalho, que não é passível de desvio. 

A partir desses dois incômodos, o fim de semana fica intenso, como se fosse o único tempo do mundo para ser aproveitado. Isso quando ele existe enquanto momento de lazer ou quando não é usado integralmente para restaurar o sono. Em ambos os casos, fica difícil de desapegar desse período que acaba se tornando potencializadamente especial. 

Quando isso acontece, aconselho uma atenção à situação e que seja revisitado o propósito naquilo que está sendo feito. Ainda faz sentido continuar?

promovo o workshop Reset, sobre os primeiros sinais de insatisfação no trabalho e como iniciar uma mudança. Talvez seja uma oportunidade para entender melhor o seu próprio processo.

Se você gostou do texto, clique no ❤ aí embaixo. Fazendo isso, você ajuda essa história a ser encontrada por mais pessoas.

[Fiz a Travessia] Abandonei a publicidade e me encontrei na cerâmica

A entrevistada de hoje é a Sofia Oliveira, da série “Fiz a Travessia”, um projeto para inspirar e incentivar pessoas a fazerem uma transição para serem mais felizes, satisfeitas e realizadas no trabalho e na vida.

 

Nome: Sofia Oliveira

Idade: 28 anos

Antes fazia: formata em publicidade, trabalhava em agência

Agora faz: tenho minha marca de cerâmicas, a Olive

1. Por que você faz o que você faz hoje? 

Sinto que me encontrei na cerâmica, mesmo com todos os perrengues do empreendedorismo, noites mal dormidas, trabalhando mais ainda que em agência e mil preocupações, eu faço o que eu gosto e nada supera isso.

2. Por que você decidiu sair da onde estava? 

Eu trabalhava com publicidade e era mega infeliz. Tentei trabalhar em empresa, agência, mas sentia que não queria fazer aquilo pro resto da vida de jeito nenhum, não só por ser um mercado difícil mas também porque fiz a faculdade sem saber exatamente o que queria.

3. Como fez essa mudança?

Um dia simplesmente resolvi largar o trabalho, peguei uns freelas e comecei a pensar no que fazer a partir dali. Comecei a fazer um monte de cursos e, sem querer, me deparei com a cerâmica. Me apaixonei de cara. Não foi logo no primeiro momento que entendi que queria fazer isso pro resto da vida, mas aos poucos fui entendendo que era isso e curtindo muito o processo e a ideia de ter minha própria empresa fazendo o que gostava.

4. Quais foram os maiores desafios que passou para fazer essa transição?

Acho que os maiores desafios eu ainda estou enfrentando. Ter sua própria empresa não é fácil, especialmente sendo a primeira vez, pra quem trabalhou pros outros a vida toda. Tudo é novo. Cada NF, cada burocracia, cada problema com o banco e fornecedores é um desafio. Já posso dizer que, depois de um ano e meio de empresa, muitas coisas já se tornaram mais fáceis pra mim, agora que lido com isso com certa frequência, mas não tenho dúvida que ainda vou me deparar com muitas outras situações complicadas no caminho. Tudo faz parte do processo de crescimento como pessoa e crescimento da empresa. 


5. Como ficou a questão de grana em meio a incerteza? 

No início o apoio dos meus pais foi fundamental, mas as coisas aconteceram mais rápido do que eu imaginava. Com a ajuda do Bruno, que faz a parte financeira da Olive, eu consegui organizar as contas e atingir um equilíbrio financeiro.


6. Qual necessidade do mundo você, através do trabalho, está ajudando a sanar? 

Acho que o trabalho manual, especialmente dos pequenos produtores, vem na contra mão da fast fashion e do consumo excessivo. 


7. Qual futuro você está ajudando a criar? 

Espero que a gente consiga se tornar uma sociedade do consumo consciente. O apoio de produtores locais é um ato que faz muito mais diferença que as pessoas se dão conta.

8. Que dicas você daria para quem quer ter um Trabalho com Significado? 

Eu sei que a oportunidade que eu tive que fazer o que faço também aconteceu por eu ser uma pessoa privilegiada. Não é qualquer pessoa que consegue largar tudo pra descobrir o que quer fazer da vida, tenho muita noção disso, mas acredito que a gente tenha que se abrir mais pro mundo e pra nós mesmos pra descobrirmos o que a gente gosta de fazer, ao invés de simplesmente seguir o que sociedade espera de nós.

> Se você quer fazer a sua transição para um Trabalho com Significado, faça o Programa Travessia.

Essa história foi útil para você?

Se sim, leia outras histórias e clique no ❤ aí embaixo. Fazendo isso, você ajuda essa história a ser encontrada por mais pessoas.

Cansaço extremo: hora de repensar o trabalho!

Cansaço extremo: hora de repensar o trabalho!

Não é que viramos super-homens ou super-mulheres quando temos um trabalho com significado. Ou então que trabalhamos menos – na maioria dos casos fazemos o dobro ou mais. A questão é que o cansaço físico se transforma e ocupa um lugar menos importante em relação a sensação de realização e todo o resto que envolve aquela atividade a qual nos dedicamos.